Quarto dia da Trezena: Santo Antônio, homem de oração

trez 041Ao falar de Santo Antônio, como homem de oração, vamos iniciar elencando, dentre outros, alguns possíveis tipos de orações que comumente costumamos fazer: – Oração de Súplica: aquela oração em que a pessoa se coloca aos pés do Altíssimo, intercedendo a ajuda celeste. Aqui em nosso santuário, muita gente suplica por emprego, pela saúde, pela paz, para conseguir o bem amado ou a bem amada; – Oração de Pronto Socorro: aquela oração que a pessoa intercede, cada vez que se sente desesperada. Certa feita, uma pessoa que não cria em nada, sofreu um acidente, ficando paraplégica. Ao receber a sua mãe no leito de dor, pediu pelo amor de Deus, que rezasse uma Ave Maria por ela; – Oração de Agradecimento: é aquela oração que resulta de uma graça alcançada. Encontrei num desses bilhetinhos de Santo Antônio, que os devotos colocam no cofre, o agradecimento pelo fato de ter passado no concurso e anexado a um clipe, a metade do seu salário, como donativo de agradecimento ao Santo; – Oração Silenciosa: nem sempre a oração precisa de palavras repetidas, ao estilo Pai Nosso, Ave Maria, Santo Anjo do Senhor… A pessoa pode se colocar numa posição de profundo silêncio, aquietando o seu interior, para que se deixe inebriar pelos fluídos divinos. Muita gente passa horas diante de uma flor, diante de uma fonte de água, diante de um por de sol. Este modo de rezar independe do ambiente externo. A pessoa pode rezar no silêncio de seu coração diante da refeição no restaurante, na rodoviária lotada, no trânsito.

Trez 042E Santo Antônio, como orava? “Na Romagna, região norte da Itália, Frei Antônio pediu que fosse mandado para o pequeno eremitério de Monte Paolo… Frei Antônio encontrou o desejado recolhimento para fazer uma síntese de sua vida e dar-lhe nova direção, já que parecia um fracasso sua vida de cônego agostiniano e de missionário entre os sarracenos. Dedicando-se à oração e ao serviço fraterno de lavar a louça e da limpeza do eremitério…”(Celso Márcio Teixeira, Breve Vida de Santo Antônio, Vozes, 1995, p. 23).

Trez 044Nos Sermões de Santo Antônio podemos constatar que ele era um homem de oração. Tal oração estabelece uma relação do ser humano com o Criador, uma relação de amor, que conduz o ser humano a conversar com o Senhor, criando uma alegria que envolve a alma em oração. Para Santo Antônio, a oração se compõe de quatro atitudes indispensáveis, assim definidas:

1) Abrir com confiança o próprio coração a Deus: a senha para abrir é o esvaziamento de si mesmo, numa atitude de profunda reverência ao mistério de Deus, que envolve a vida em todas as suas etapas;

2) Conversar afetuosamente com Ele: nós conversamos com as pessoas, ou nos fechamos; criamos canais de comunicação nas redes sociais, falando diante de uma tela de computador, de tablet, de celular. Que tal se conseguíssemos conversar com Deus, afetuosamente, no silêncio de nosso interior;

3) Apresentar-lhe as próprias necessidades: ninguém é autossuficiente, a ponto de não necessitar de ajuda. Daí a importância de no diálogo com Deus, expor-Lhe nossas reais necessidades, para que Ele nos ajude nesta seara;

4) Louvá-Lo e agradecer-Lhe: Deus realiza em nós grandes coisas. Lhe somos gratos pelas maravilhas que podemos descobrir com nossa inteligência e Lhe agradecer por isso, constantemente.

Santo Antônio nos ensina que a oração pressupõe uma atmosfera de silêncio. Isso não significa a fuga do barulho externo. É, sim, uma experiência interior, que apesar das dificuldades, busca evitar as distrações, próprias do humano.

Perguntaram certa feita a ‘Abdu’l-Bahá (fundador da religião dos Bahaítas): – Por que rezar? Ele respondeu: “Sabe tu que, em verdade, convém ao fraco suplicar ao Forte, e a quem aspira às graças pedir ao Glorioso Deus de Misericórdia. Quando se roga ao Senhor, voltando-se para Ele e buscando graças de Seu Oceano, esta súplica traz luz ao coração, iluminação à vista, vida a alma e enlevo a todo o seu ser… Durante tua súplica a Deus, enquanto recitas: “Teu Nome é minha cura”, considera o quanto teu coração se alegra, tua alma se deleita pelo espírito do amor de Deus e tua mente é atraída para Seu Reino! Com esta atração, as habilidades e capacidades crescem. Quando o vaso é ampliado, mais água pode conter, e quando a sede aumenta, as graças da nuvem tornam-se agradáveis ao paladar do homem. Eis o mistério da súplica e a sabedoria que há em expor as necessidades”(http://www.bahai.org.br/oracoes).

Trez 043Sejamos também nós, pessoas de oração, como foi Santo Antônio e tantas pessoas que descobriram o caminho de Deus em suas vidas, simplesmente, rezando!

Frei Ivo Müller, OFM