Os encontros de Frei Róger com os presépios

Moacir Beggo

Rio de Janeiro (RJ) – O museólogo e coordenador do Departamento de Bens Patrimoniais da Província da Imaculada Conceição, Frei Róger Brunorio, pensa presépios o ano inteiro e em todo final de ano intensifica esse pensamento, como virou rotina em sua vida há nove anos. Isso porque ele está à frente de duas mostras de presépios como curador: a Exposição de Longa Duração do Seminário Frei Galvão, em Guaratinguetá –SP; e Exposição no Convento Santo Antônio, no Largo da Carioca (RJ). A exposição paulista está na sétima edição e foi renovada no final de outubro e a exposição carioca será aberta na segunda-feira, dia 9 de dezembro.

A Fraternidade Seminário Frei Galvão, dentro do espírito do Sínodo para a Amazônia, que estava no seu encerramento, e da Encíclica Laudato Si’, pediu para Frei Róger criar uma mostra com o tema “Nossa Casa Comum, santuário de Deus e do ser humano”, tendo em vista a grande quantidade de romeiros que passam pelo Centro de Acolhimento Frei Galvão. Para Frei Róger, o resultado foi melhor do que esperava. Criativo e provocador em suas mostras, o Sínodo deu elementos suficientes para colocar nos conjuntos que retratam o nascimento do Menino Deus os apelos do Sínodo e o Papa diante da ameaça da vida na Terra, especialmente na Amazônia.

Frei Róger também não escondia a alegria pela Carta Apostólica sobre o Presépio, “Admirável Sinal”, lançada pelo Papa Francisco no primeiro domingo do Advento. “Essa Carta, para mim, foi uma realização. Os textos que escrevi sobre presépios, durante anos, estão ali dentro. O que ele diz, a gente faz: ele fala dos marginalizados, dos pobres e dos oprimidos. Isso estava naquele presépio que representava excluídos da sociedade”, lembrou, referindo-se às críticas que recebeu de setores da Igreja por essa representação.

Segundo o frade, é importante, sim, trabalhar, atualizar a vinda de Cristo, o nascimento de Jesus, com a reflexão atual. “A partir de 2016, quando fui atacado, as pessoas vinham a mim e diziam: ‘Qual é o presépio polêmico deste ano?’ Eu digo: ‘O nascimento de Jesus é polêmico’. Senão, veja: Jesus nasceu na pobreza, no meio dos pobres, dos marginalizados, porque se Ele estivesse num castelo, talvez a gente dissesse às pessoas mais simples para se achegarem. Também naquela gruta, as pessoas tivessem dificuldades de ir lá pela simplicidade do lugar. Mas a gruta é acessível a todos. O castelo não é acessível a todos. Ele tem uma muralha, proteção. Na gruta, não tem. Está aberta. Todas as pessoas simples conseguem perceber rápido isso”, explicou.

Para ele, o presépio napolitano e o presépio barroco, são lindíssimos enquanto arte, enquanto temática, mas eles não trazem uma reflexão que provoca em nós uma mudança de imediato. “Eles têm muito luxo nas roupas, nas indumentárias colocadas ali. Porque têm a ver com a época. Era a época da contrarreforma, da exploração do ouro, sobretudo na América. O presépio neste estilo é importante enquanto obra religiosa e obra de beleza. Mas ele não é provocativo para se levar a uma mudança. Eu tenho impressão que o presépio barroco, um presépio muito luxuoso, tem mais a ver com o panettone e os presentes. A festa de Natal reúne a família e pronto! Acabou. É lindo isso, mas quando a gente vê um presépio como esse aqui (da mostra de Guará), vestido com os trajes atuais, Deus se encarna na história de cada povo e na atualidade. Isso nos leva a uma provocação e o cenário é justamente para provocar uma situação que nos faça mudar e muda para melhor”, acrescentou.

Sobre esse processo criativo, o frade explica que pode fazer uma cenografia perfeita e não estar em sintonia com a peça. “Quando a gente faz uma exposição, ela tem um tema, que é o fio condutor para a reflexão”. Segundo ele, não se pode perder o foco, todo material usado na cenografia deve estar em harmonia com o presépio e tudo estar carregado de simbologia. “Esses blocos, do presépio boliviano em Guará, passam a ter um significado simbólico. Eles representam as edificações. As pedras representam a violência contra a cultura, os povos que migram de suas terras por causa da violência e sofrem mais violências em alguns países que chegam”, exemplificou mostrando o conjunto boliviano. Segundo ele, pelo menos seis países da região Pan-Amazôna estão representados nessa Mostra.

O Papa Francisco, de certa forma, aborda isso nessa Carta, enfatiza o curador. “Cada personagem tem um significado. O que a ovelha representa? Em qual personagem eu me vejo no presépio? Se a gente pensar, nesses anos todos mostrando exposições, a gente vê a riqueza que são os presépios. Tem presépios que têm ratos. Sim, porque é uma estrebaria. Isso é genial porque a gente não dá conta desse contexto. Veja o presépio barroco, ele é carregado de informações e é fácil não perceber os detalhes da mensagem central. As  indumentárias são riquíssimas, arquitetura monumental. O presépio, ao contrário, é totalmente despojamento. É estrebaria e pobreza. O menino Jesus estava envolto em um pano. Um tecido pobre e áspero”, acrescentou. Frei Roger explica que essa cenografia, feita para despertar em nós a reflexão, é feita nos dias atuais a partir dos Evangelhos de Lucas e Mateus, que narram a cena do nascimento de Jesus.

OS FRUTOS DA EXPOSIÇÃO PAULISTANA

Frei Roger explica que essa representação catequética começou na Mostra Franciscana do Convento São Francisco, em São Paulo, que neste ano completa 30 anos.

“Nessas três décadas, a exposição de São Paulo floresceu. A semente foi plantada, germinada e hoje tem muitos frutos. Uma das primeiras exposições depois de São Paulo foi no Santuário do Valongo, em Santos. Deve estar na 26ª edição. E o Frei Pedro Pinheiro foi o curador em SP por 16 anos. A Mostra dele era maravilhosa, concorrida e dava grande visibilidade. Ele trabalhava o tema durante o ano todo. Além de ser o curador, Frei Pedro é artista da pintura, da escultura, do desenho e da gravura. É um artista completo. Além disso, tinha uma equipe que trabalhava com ele. Quando ele saiu, ficou o Frei Airton, o Soneca, depois veio o Frei Marcos Melo e antes de mim, Frei Donizete, frade da Província de Minas Gerais. Eu cheguei em 2010 e fiquei até 2015. Trouxe minha experiência de frade museólogo e artista visual. Para a museologia, trabalhar muito com menos é mais. A cenografia tem que estar em comunhão com a obra. Tanto o Frei Pedro, como eu, e outros frades, damos um caráter de catequese e evangelização. As nossas exposições diferem das que são feitas às vezes em museus, galerias e shoppings. Nós temos conteúdo, forma e espiritualidade. E por que chama Exposição Franciscana de Presépios? Porque franciscana é a nossa espiritualidade, é o nosso olhar a partir do mistério da Encarnação”, detalhou.

Para o frade, uma pessoa também faz reflexão no museu. “O museu de Arte Sacra, se ele for administrado pela Igreja, tem um compromisso com a catequese e a evangelização. Ele tem um compromisso pastoral. Uma outra instituição que não é ligada à Igreja não tem esse compromisso com a pastoral. Então, nós, franciscanos, temos compromisso com a pastoral. Por isso, ela é franciscana. Claro que a cena da Natividade é a mesma para todos, mas tem um jeito próprio de apresentá-la. Como é que um franciscano aborda esse tema? Coloque o tema da Laudato Si’ para um franciscano, um beneditino e um carmelita. Cada um tem o seu modo de olhar, mas tudo vai para o mesmo encontro. Aqui vai aparecer completamente a espiritualidade franciscana. Essa também não é uma exposição internacional. Ela é internacional porque tem presépios de outros países. Mas não é o mais importante. Para nós, o mais importante da exposição, tanto eu como o Frei Pedro ou outros expositores, o ponto central é o nascimento, o mistério de Deus que se faz homem, que se despoja numa criança na manjedoura”, continuou.

“Em todos os nossos conventos, tudo está apontando para o Menino. O próprio presépio, por si só, exige de nós atenção, com humildade e reflexão. Por que está ali? Por que tem essa pedra? É só para ficar bonitinho? ‘O frei colocou para o anjo ficar no alto’?. Nossa, tem galhos secos. São reflexões a partir da própria encarnação. Posso fazer outras leituras além do tema que foi apresentado. A vinda de Jesus veio para regenerar toda a vida. Inclusive a árvore seca. Ele a renova e faz brotar. As pedras, aquilo que era escuridão, ele veio trazer luz. Isso é espiritualidade, catequese e pastoral. Isso é um compromisso com a evangelização”, ensinou o frade.

TRADIÇÃO AMEAÇADA NAS FAMÍLIAS

Nesses dez anos de exposições, Frei Róger observa que a tradição de montar presépios nas famílias já não é a mesma e fica visível a diminuição desta devoção. Segundo ele, é comum encontrar pessoas nas exposições que comentam: “Ah, frei, eu montava presépios…” Algumas pessoas, lembrou, doaram presépios porque estavam encaixotados há anos. “São vários motivos: as famílias diminuíram, as famílias estão muito nas grandes cidades e elas se diluem devido à escassez de tempo, as casas são menores, os apartamentos menores ainda e não têm espaços para colocar aquele número de peças. Nas exposições, incentivamos essa tradição fazendo o sorteio de um presépio. Todo visitante deixa o nome para o sorteio”, contou. Por outro lado, Frei Roger lembra que as lojas estão vendendo presépios. “Se tem venda, para onde vão esses presépios?”. Penso que pode até diminuído a tradição de se montar presépios nas casas, mas há uma chama acessa dessa linda tradição natalina. E que jamais deveria se apagar. Mesmo que o seu espaço é limitado há presépios de todos os tamanhos, gostos e até preços.

Para ele, fazer uma exposição pode ser esse estímulo às pessoas. Tanto que nas exposições, eu e o Frei Pedro sempre ficamos ali o tempo todo: “Não é porque somos os curadores, mas a gente quer ver o público, como ele se relaciona com cada presépio, para dar uma palavra pastoral e catequética”.

“Nesses anos todos, o meu presente de Natal é a exposição. No ano passado, tinha um presépio russo. Entrou uma moça com os pais. Ela mora no Rio e os pais vieram visitá-la. Quando ela viu esse presépio, começou a gritar. Ela jamais esperava vir ao convento – veio para trazer os pais – e se deparar com um presépio do seu país. Isso é maravilhoso. Por isso, na exposição, a gente procura ter diversidade de obras. E assim muitos encontros acontecem na mostra. Então, presépio é encontro.  Deus que vem se encontrar com a humanidade, que se encontra com o outro, que se encontra com Deus. A partir do presépio, a gente encontra outras pessoas, revê amigos. Toda exposição, mais dia ou menos dia, vai ter uma pessoa que diz: “Olha a fulana!” Pessoas que não se veem há tempos”, ensina.

ESPÍRITO ABERTO E HUMILDE

Uma pessoa que quiser conhecer a exposição precisa vir aberta para que possa contemplar e ver o verdadeiro sentido do Natal. “Nas nossas exposições não vai entrar árvore de natal, não vai entrar Papai Noel. Não somos uma vitrine de loja e nem estamos num shopping. Aqui o único patrocinador é o próprio Deus. Aqui, o nosso compromisso é mostrar a verdade, o verdadeiro espírito de Natal. Longe dessa coisa comercial. Todo visitante é bem-vindo. Inclusive, nas nossas exposições há visitantes que não são católicos. Porque vem pela arte e ela é uma expressão do sagrado”, incentivou.

O frade também pede para vir com humildade, porque se vier com arrogância, não vai entender uma cenografia. “Nossa, mas Jesus não usou toca’, podem dizer. A pessoa precisa compreender que aquele presépio é típico de um país, de um povo andino, do Peru ou Bolívia. E ele precisa vir com espírito de reflexão. É um espírito de encontro. Vou me encontrar com Deus, comigo e com os outros”, completou.

VENHA VISITAR

A Exposição de longa duração no Seminário Frei Galvão, com o tema “Nossa Casa Comum, santuário de Deus e dos homens”, fica aberta até 12 de outubro de 2020, na Av. Integração, 151, em Guaratinguetá (SP).

A Exposição do Convento Santo Antônio, que abriu no dia 9 de dezembro, tem como tema “De graça recebestes, de graça dai”. “Com esse tema, a gente quer trabalhar a gratuidade, a graça de Deus, que no seu infinito amor, na sua misericórdia e bondade imensa, vem se fazer presente em nós, vem se doar em nós. Não bastasse Ele nos criar, Ele traz o seu Filho para mostrar a visibilidade desse Deus que é amor. Isso é gratuidade, isso é graça”, explica Frei Róger.

A Mostra no Convento estará na antiga sala do Capítulo, com seu belo forro pintado com estilo rococó e frase em latim em honra a Santa Ana.

Convento Santo Antônio | 5ª Exposição Franciscana de Presépios

Tema: “De graça recebestes, de graça dai”

De 9 a 29 de dezembro
Segunda a sexta: das 9h às 18h
Sábado e domingo: das 9h às 11h

Endereço: Largo da Carioca, s/n
Rio de Janeiro (RJ)
(21) 2262-0129
conventosantoantonio.org.br