O teólogo Dom Bruno Forte alerta sobre as discriminações aos cristã

EcumenismoDurante a oração do Angelus, no último domingo, o Papa Francisco afirmou: “Os cristãos, que sofrem discriminações, por darem testemunho de Cristo e do seu Evangelho, são mais numerosos hoje do que nos primórdios da Igreja. Isto acontece também em Países e regiões do mundo, que tutelam a liberdade e os direitos humanos”. Esta afirmação do Santo Padre foi retomada pelo teólogo da Igreja, Dom Bruno Forte, arcebispo de Chieti-Vasto, na Itália, entrevistado pela Rádio Vaticano:

“O Evangelho é incômodo e, de qualquer modo, coloca em crise, sobretudo, a mentalidade e os costumes consumistas e egoístas, que tendem a embaçar os olhos, diante do sofrimento dos mais fracos e pobres do mundo, tentando justificar o egoísmo e o abuso de poucos. A sequela de Cristo nos faz pagar um alto preço. No entanto, jamais devemos cansar-nos de denunciar as formas do monopólio de pensamento e de egoísmo, mas continuar, com liberdade, a anunciar e dar testemunho da verdade do Evangelho. Caso contrário, abrimos a porta a todo tipo de barbárie. Eis porque a resistência cristã é necessária também em Países democráticos. Agora, mais do que nunca, devemos sentir-nos envolvidos nesta luta e dar testemunho de fé, de humildade e de coragem, com a devida perseverança cristã”.

Dom Bruno, o senhor acha que no Ocidente os cristãos correm riscos, em relação à sua liberdade?

“A história da Igreja nos ensina que sempre corremos riscos e que inteiras populações cristãs foram exterminadas ou reduzidas, sendo obrigadas a viver na obscuridade das catacumbas e no medo. Logo, os riscos existem sempre. Mas, o próprio Jesus Cristo advertiu que nos envia “como ovelhas entre lobos”. Claro, é preciso estar sempre alertas, ser fiéis e, se for necessário, até pagar com o próprio sangue o preço da sequela de Cristo. Porém, nunca devemos ceder à lógica da violência, que é contrária aos princípios cristãos. Enfim, a história demonstra que o sangue dos mártires é bem mais fecundo que a presunção dominadora dos seus perseguidores”. (MT)

Fonte: Rádio Vaticano