Frei Almir reforça apelo por uma Igreja em saída

Moacir Beggo

 Rio de Janero (RJ) – Ao falar do tema “Santo Antônio e a Igreja como sacramento de salvação”, neste 11º dia (11/6) da Trezena de Santo Antônio no Convento do Largo da Carioca (RJ), Frei Almir Guimarães fez uma declaração de gratidão e amor ao Papa Francisco e ao seu apelo por uma Igreja em saída. “Eu tenho muita alegria de viver minha vida com quase 80 anos na Igreja de hoje, com esse argentino que veio pra ficar e pra valer!”, celebrou Frei Almir.

O frade, que reside na Fraternidade do Sagrado em Petrópolis (RJ), fez a pregação na Celebração Eucarística do meio-dia. O guardião Frei José Pereira, o concelebrante, lembrou que Frei Almir estudou catequese e pastoral no Institut Catholique de Paris, é o assistente das Clarissas e tem um carinho especial pela OFS, para quem foi assistente nacional durante muitos anos.

Bem ao seu estilo, Frei Almir deixou de lado os papéis da pregação que preparou e passou a falar de improviso. Contou que desde pequeno, com quatro anos, a imagem do Coração de Jesus na casa de seus pais o marcou profundamente. Depois passou a frequentar a capelinha de Nossa Senhora das Vitórias, que existe até hoje. “A dª Clara, mulher do seu Alfredo, lavava toalhas do altar. Impecáveis. Era muito quieta, muito silenciosa. Costurava para homens: calça curta, calça comprida…. Vivia na igreja. Aos poucos, fui compreendendo que Igreja não era apenas um prédio. Fui compreendendo com as falas de Frei Atico Eyng, que me deu a Primeira Comunhão, que existia uma coisa maravilhosa: uma comunhão de pessoas querendo seguir a Cristo”, revelou.

trezena_110618_5

Segundo Frei Almir, é muito comum se pensar que Igreja é só dos Papa, bispos, padres e religiosos. “Não é não! A Igreja é Dª Clara, é o sr. Alfredo, é a mãe que comungava todo domingo…”, disse enfaticamente. “De repente, a gente cresce e diz: ‘Eu sou da Igreja!’ E na Igreja está Cristo, este Cristo Jesus ressuscitado, onde dois ou três se reúnem em nome dele. Como gostaria, desde criança, de dizer para as pessoas: ‘Entrem numa Paróquia, vivam numa paróquia!’ É tão bom a gente sentir a fé dos outros nesse Cristo que está na Igreja como um sacramento da salvação, como um sinal de um mundo novo”, partilhou.

Frei Almir contou que no bairro Bingen, em Petrópolis, celebra na capela Nossa Senhora Auxiliadora, uma comunidade no alto do morro. “A gente celebra a Missa sem microfone. Não tem ninguém fazendo barulho. Quando acaba a Missa, a gente come pastel de queijo ou de carne. E a gente não vai embora, porque a gente está na Comunidade. Eu fico até emocionado, porque, com meus quase 80 anos e 50 anos de padre, sonho ainda viver num lugar assim, onde a Igreja não seja só para ir à Missa e  ir embora, mas seja um lugar que a gente se queira bem”, disse, lamentando que hoje vai-se à igreja ‘como pode, onde pode’, onde tem suas preferências e suas “panelas”.

“Eu tenho um orgulho muito grande de dizer: eu sou da Igreja, a Igreja Corpo Místico onde está presente Cristo Jesus”, enfatizou. “Então, a Igreja é a reunião de irmãos que se amam, que se perdoam, que buscam uns aos outros. É um sinal, um sacramento de um mundo novo. Não o mundo da corrupção, não o mundo da violência, não o mundo da morte, esse mundo que anda no Rio de Janeiro e em todo o Brasil. Nós, aqui, precisamos ser um sinal, sacramento de gente que se estima, que se perdoa, de gente que se ama de verdade.  Então, a Igreja é um sacramento da salvação. Eu me salvo nessa Igreja. Santo Antônio viveu numa Igreja que foi sacramento da salvação”, reforçou.

trezena_110618_3

DE PIO XII A FRANCISCO

“Tenho orgulho de dizer que vivi numa Igreja de muitos papas. O Papa não é o principal da Igreja, mas ele é a figura que faz unidade. Me lembro de Pio XII, que declarou o dogma da Assunção em 1950. Depois veio João XXIII, de Veneza, e abriu as janelas da Igreja. Com ele veio o Concílio. Quando ele desapareceu, veio Paulo VI, o Cardeal Montini. Eu tenho muita admiração por ele. O maior documento de evangelização é dele: “Evangelii Nuntiandi”. Se vocês puderam, leiam. É melhor do que muitos ‘documentinhos’ por aí… Depois, veio a era do João Paulo II, que andou pelo mundo afora, mas puxou as coisas para botar no eixo. Era meio conservador. Não tenho nada contra. Que ele interceda por nós na glória!”, ponderou.

trezena_110618_4 “E, finalmente, o Papa atual, que veio de Buenos Aires, o hermano que veio do fim do mundo. E esse homem quer que nossa Igreja seja, de fato, um sinal de um mundo novo. Com ele, vimos uma porção de palavras: ‘não quero saber de carreirismos dentro da Igreja’, ‘não quero saber de prosopopeia’, ‘de pensar que a nossa Igreja é a única santa, a melhor’. Eu quero que vocês conversem com os irmãos muçulmanos, quero uma Igreja em diálogo. Nada intransigente, onde tudo é pecado! Quero uma Igreja de gente santa, isso eu quero! Mas não quero uma Igreja que se considera melhor que as outras”, descreveu.

Segundo Frei Almir, esse Papa é sua alegria em 80 anos de vida. “Ele veio para ficar, mesmo com as oposições que tem. Ele fala de uma Igreja em saída. Nada de a gente ficar no nosso mundinho de rezinhas, de nhê nhê. É uma Igreja em saída, que suja os pés na lama. É uma igreja samaritana, é uma Igreja acolhedora. Não se trata de bagunça, mas de uma Igreja onde não se repita: ‘isso não pode! Aquilo não pode!’ Quem é que pode julgar? Quem sabe por que aquele casamento se destruiu? Vão logo dizendo: ‘É uma pecadora por que se separou’. Quem diz isso vai para o inferno…”, lamentou o frade.

Ele voltou a frisar que o Papa diz que a gente tem que acolher. “Não quer dizer aceitar os erros, não senhores! Não quer dizer que o Papa está querendo que a gente faça tudo errado. Não. O ser humano tem mistérios e a gente tem de aproximar com respeito dos mistérios”, disse, citando entre os exemplos a questão da homoafetividade. “O papa quer misericórdia, compreensão e uma Igreja simples”, completou.

Por último, falou rapidamente do laicato, uma vez que ele foi tema na Trezena. Disse que a força do laicato cristão e católico precisa estar mais viva, especialmente em ambientes onde o cristianismo histórico não possui mais a hegemonia que tinha, onde a Igreja não dá testemunho.

Nesta terça-feira, dedicada a Santo Antônio, a Trezena já ganha ares de festa. É também o Dia dos Namorados, e Frei Almir volta a falar sobre o tema “Amor e Família”, às 12 horas, e Frei Sandro Roberto da Costa, pároco da Rocinha, prega às 18 horas.

_____________________________________________________________

VEJA COMO FOI O PRIMEIRO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O SEGUNDO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O TERCEIRO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O QUARTO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O QUINTO DIA DA TREZENA DURANTE A MANHà

VEJA COMO FOI A CELEBRAÇÃO PRESIDIDA POR D.ORANI NO 5º DIA

VEJA COMO FOI O SEXTO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O SÉTIMO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O OITAVO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O NONO DIA DA TREZENA

VEJA COMO FOI O DÉCIMO DIA DA TREZENA
___________________________________________

VEJA MAIS IMAGENS DA CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA DESTA SEGUNDA