As Igrejas Católicas Orientais unidas a Roma

theotokos_significa_isso[1]Teve início nesta terça-feira (19), no Vaticano, a Plenária da Congregação para as Igrejas Orientais. Até sexta-feira, os participantes debaterão a situação dos cristãos orientais com referência a três áreas: o Oriente Médio, a Europa Oriental e a Índia, e as respectivas comunidades da diáspora.

A Plenária foi inaugurada pelo Prefeito da Congregação, Cardeal Leonardo Sandri, que presidiu a concelebração Eucarística. No final da manhã, o Papa Francisco recebeu em audiência todos os membros da Plenária.

Em várias épocas, após o Concílio de Calcedônia (451) e após o Grande Cisma de 1054, verificaram-se tentativas de encontros e contatos entre as Igrejas separadas (II Concílio de Lyon, 1274 e Concílio de Florença, 1438-39). As Igrejas Católicas Orientais, mesmo mantendo a sua própria constituição e espiritualidade, as particularidades do Direito Canônico, a possibilidade do matrimônio para o clero, os ritos e a liturgia próprios, reconheceram o primado do Papa.

Esta condição das Igrejas Católicas Orientais foi objeto de polêmicas e seguidamente influenciou negativamente o caminho ecumênico, pois eram acusadas de terem abandonado as suas Igrejas Mães, às vezes também por questões políticas. Elas, no entanto, se consideram a continuação normal de grupos que, dentro das Igrejas Ortodoxas, sempre se sentiram em comunhão com Roma. No seu interior, existem cinco ritos, segundo a tradição litúrgica: Rito Bizantino, Rito Sírio-Oriental ou Caldeu, Rito Sírio-Ocidental e Maronita, Rito Armênio e Rito Alexandrino.

Atualmente, na Igreja Católica, além da Latina, existem 22 Igrejas ‘sui iuris’, pertencentes a estas cinco Tradições Orientais (O Exarcado Apostólico da Sérvia e Montenegro não está elencado no Anuário Pontifício entre as Igrejas ‘sui iuris’, não obstante sejam consideradas como tal por alguns).

As Igrejas de Tradição Alexandrina são a Igreja Patriarcal Copta e a Igreja Metropolita sui iuris Etiópica. As de Tradição de Antioquia são a Igreja Patriarcal Síria, a Igreja Patriarcal Maronita e a Igreja Sírio Malankarese. Já a Igreja Patriarcal Armena insere-se na Igreja de Tradição Armena. Das Igrejas de Tradição Caldéia fazem parte a Igreja Patriarcal Caldéia e a Igreja Arcebispal Maior Sírio-Malabarense. As Igrejas de Tradição Bizantina são a Igreja Patrialcal Melquita, a Igreja Arcebispal Maior Ucraniana, a Igreja Arcebispal Maior Romena, a Igreja Metropolitana sui iuris Rutena, a Igreja Metropolitana sui iuris Slovaca, a Igreja sui iuris Albanesa, a Igreja sui iuris Bielorussa, a Igreja sui iuris Búlgara, a Igreja Greco-Católica sui iuri Croata, a Igreja sui iuri Grega, a Igreja sui iuris Ítalo-Albanesa, a Igreja sui iuris Macedônia, a Igreja sui iuri Russa e a Igreja sui iuris Húngara. (JE)

Fonte: Rádio Vaticano